Caminho Traçado – Uma babá na fazenda By Célia Oliveira Capítulo 3

Caminho Traçado – Uma babá na fazenda By Célia Oliveira Capítulo 3
3

— Aurora, Aurora!

 

Olhei para o lado e a vi. Isadora estava com um vestido azul-celeste longo lindo, seu cabelo loiro estava solto, e ela acenava para mim. 

— Eu pensei que não viria Rora! — Me abraçou. 

— Isa, você não tem ideia do que acabou de acontecer, aquele sem vergonha do Sandro tentou me estuprar. — Disse chorando, me lembrando da cena daquele maldito tocando meu corpo. 

— O quê? — Ela respondeu desacreditada. 

Contei o que havia acontecido, ela me abraçou e chorou comigo. 

— Vamos dar um jeito Rora, naquela casa você não volta mais, já sei o que fazer! 

— O que você tem em mente? 

— Eu tenho a autorização a*sinada por meus pais para viajar, e minha pa*sagem já foi comprada, você só precisa entrar no ônibus em meu lugar. 

— Está louca? E sua viagem você vai perder! 

— Eu compro outra e viajo amanhã, além disso, as aulas na faculdade só vão começar semana que vem. 

— E o que seus pais vão dizer? — Perguntei preocupada, tinha meus problemas, mas não queria que minha amiga arruma*se encrenca com seus pais por minha culpa. 

— Não se preocupe, eu invento uma desculpa, falo que perdi a viagem porque me distraí na loja de conveniência, dou um jeito. 

— Não sei nem o que dizer Isa, você é a melhor amiga que poderia ter, me fala quanto custou a pa*sagem, vou te pagar, para você comprar a sua amanhã. 

— Claro que não, fique como um presente para a sua liberdade, eu sei o quanto você sofreu naquela casa, e sei que não quero que você volte para lá, agora vamos logo, porque quem não pode perder o ônibus agora é você! 

— Isa, já falei que te amo hoje? 

— Não, mas eu sei que me ama. — Sorriu — Me diz, o que tem dentro de sua bolsa? 

— São meus lacinhos, documentos e o dinheiro que economizei esse tempo todo. 

— Não tem nenhuma roupa? Pega as minhas. 

— Claro que não! — Respondi mais que depressa, Isa já tinha feito muito por mim, não seria justo me aproveitar dela. — Quando eu chegar lá compro, afinal, não sei ainda para onde vou, e não posso sair por aí carregando muitas coisas. 

— Então quero que fique pelo menos com isso! — Tirou da carteira algumas notas de dinheiro. 

— Eu não posso aceitar, não se preocupa, eu tenho um pouco aqui! 

— Por favor Rora, estou te dando de coração, afinal, estou indo para casa de minha tia, lá não terei despesa alguma, e meus pais me mandam uma boa mesada todo mês. — Apesar de não serem ricos, os pais de Isa tinham uma vida bem estabilizada financeiramente. — Além disso, você precisa de muito dinheiro, até arrumar um trabalho. 

— Olha, eu vou aceitar, mas com uma condição, quando eu arrumar um trabalho te devolvo de novo! 

— Pode ser dona orgulhosa. 

Rimos e logo a última chamada do ônibus foi dada, abracei minha amiga pela última vez. 

— Não se esqueça de trocar de número e me ligar, quero notícias suas sempre entendeu? 

— Pode deixar! 

Entrei no ônibus apresentando o papel que Isa me deu, não precisei mostrar a identidade. Sentei na poltrona e comecei a pensar no que faria da minha vida, me lembrei da minha irmãzinha, sei que aquele monstro não faria nada com ela, a marcação dele era apenas comigo, mesmo a*sim não deixei de me preocupar, pois ela estava doente e eu nem pude me despedir. 

Agora eu tinha dois mil e trezentos na mão, poderia alugar um quarto de alguma pensão e procurar um emprego o mais rápido possível, mas me senti muito mal, pois não tinha experiência em nada, minha mãe não me deixava fazer cursinhos profissionalizantes, nem os gratuitos. A única coisa que sabia era cuidar da casa e de criança. 

Eram por volta das 18 horas quando meu celular não parou de tocar, era a minha mãe, atendi imediatamente. 

— Aurora onde você está? — Sua voz era séria. 

— Mãe cadê a Alice melhorou? — Mudei de a*sunto. 

— Não me ignora, menina, estou aqui de frente de casa, se você não chegar em dez minutos, eu vou acabar com a sua raça. 

— Por quê? — Perguntei tentando tirar o máximo de informações e ver o que aquele safado disse a ela. 

— Porque por sua culpa, o Sandro sofreu um acidente, você deixou sua irmã sozinha doente e saiu, ele ficou tão sem saber o que fazer com a menina, que na hora do almoço escorregou com o prato de comida, que além de queimá-lo, se partiu e cortou seu rosto. 

— O quê? — Ele não teve coragem de contar a verdade a ela, aquele sem vergonha, com certeza estava planejando se vingar de mim de outra forma. 

— Não mãe, não foi isso o que aconteceu, esse homem que VOCÊ escolheu como marido, tentou abusar de mim, e eu simplesmente me defendi, jogando a minha comida com toda força do mundo na cara dele. 

— Que absurdo é esse que está falando menina? — Gritava histérica. 

— Isso mesmo que acabou de ouvir, acho muito estranho ele não ter te contado a real versão, já que ele me disse ser um homem de verdade. 

— Você tem noção do que está falando Aurora? Sandro é um funcionário público, conhecido na cidade inteira, quer estragar a vida dele falando mentiras? Eu sabia que não podia confiar em você, na verdade, ele deve ter se queimado se esquivando de suas insinuações, quer saber de uma coisa? Não volta para casa não, fica aí onde você está sua ingrata! Ele fez de tudo por você, te cria sem você ser nada dele, você não tinha preocupação nenhuma na vida morando dentro desta casa, espero que sofra bastante aprendendo com o mundo, e chore lágrimas de sangue quando se arrepender do que está fazendo. 

— Mãe, em que dia a senhora se transformou neste monstro sem coração? Que deixou de acreditar na própria filha, para acreditar em um homem? 

— Escuta, a partir de hoje eu não te considero mais como filha, você não é nada minha, entendeu? Meu erro foi ter tido você! Eu era tão nova e estraguei minha juventude, tendo que parar todos meus sonhos, para te criar e no final você me dá esse desgosto todo! 

Após dizer todos os absurdos possíveis, desligou o telefone na minha cara, ouvir tudo aquilo me fez chorar feito criança, minha mãe era tão amável comigo, nos dávamos tão bem. 

Ela engravidou com 16 anos, quando conheceu meu pai, os dois se apaixonaram, foram morar juntos, dois anos depois se casaram no civil, éramos tão felizes, nunca tinha visto arrependimento por ter me tido tão cedo. 

Infelizmente, meu pai numa tarde, voltava do trabalho, atravessava na faixa de pedestres, e um motorista bêbado avançou o sinal e o atropelou, ele morreu na hora, o motorista era um menino de dezessete anos que havia pegado o carro do pai escondido, não houve penalidade para ele, pois era filho de um empresário muito rico e influente da região, eles pagaram uma indenização a minha mãe, e ela recebe uma pensão por eu ser menor de idade, só que até hoje não vi dinheiro algum. Quando ela conheceu o Sandro, os dois compraram uma casa num bairro nobre da cidade, ele trabalhava no ministério público, e arrumou um emprego de secretária para ela, os dois na vista das pessoas são bem de vida, mas infelizmente, eu nunca usufruí de benefício algum, apenas a escola que mamãe pagava, porque não cairia bem para eles, eu estudar em escola pública. 

Era madrugada, e a maioria dos pa*sageiros dormia, olhava para a estrada, via aquela escuridão dos lados e imaginava o que iria fazer da vida, pois quem contrataria uma menor de idade? 

Na primeira parada do ônibus, às 5 da manhã, usei o banheiro e tomei café numa lanchonete, pois estava morrendo de fome, já fazia quase um dia que estava sem comer, pois estraguei meu almoço na cara daquele ser. 

Comprei uns pacotes de biscoitos para levar na viagem, água, suco, e uma blusa de frio que vi um ambulante vendendo, pois estava muito frio dentro do ônibus e minha blusa era de manga curta. 

Às 6 da manhã, o ônibus voltou para a estrada, agora eu já estava mais abastecida, não iria pa*sar fome no caminho, enquanto meu celular carregava, olhava quartos e pensões disponíveis para aluguel, a*sim quando chega*se na capital não dormiria na rua, procurei por vagas de emprego também, mas todas buscavam pessoas com experiência e referência, infelizmente, não tinha nada disso. 

Depois de praticamente um dia e meio de viagem, chegava à capital do país, a*sustei-me com os prédios e rodovias enormes, a cidade que eu morava era tão pequena, em relação a esse lugar. Desci na rodoviária às 2 da tarde, procurei informação sobre empregos numa barraca de comida, uma senhora muito educada me atendeu gentilmente, e eu perguntava tudo que podia a ela. 

— Minha filha, mesmo aqui sendo capital, está muito difícil de arrumar emprego, as vagas estão muito disputadas, e pelo que me disse, você só se sairia bem trabalhando em casa de família, e isso também é difícil, porque eles não querem colocar qualquer um dentro de suas casas. 

— Eu entendo dona Maria, mas algo eu sei que vou encontrar para mim! — Dizia confiante. 

— Mas pensando bem, sei onde você poderia arrumar um emprego. — Parou um pouco olhando para o céu como se estivesse pensando, e depois me encarou. — Na fazenda São Caetano, ela fica á alguns quilômetros daqui, lá sempre pega gente, seja para a colheita, ou para limpeza dos galpões, cozinhar para os peões e outras coisas que não precisam de um currículo tão exigente. 

— E como faço para chegar lá? — Perguntei-lhe esperançosa. 

— A vila São Caetano fica a uns 40 quilômetros daqui, chegando lá, você pode procurar qualquer pessoa e perguntar da fazenda, na verdade, a vila foi feita pelo dono da fazenda, ele fez para seus trabalhadores morarem, e pagam um aluguel bem baratinho, descontado do salário deles, falo isso, porque meu filho mora e trabalha lá há sete anos, hoje mesmo ele esteve aqui me visitando mais cedo. 

— Onde fica o ponto de ônibus que vai para lá? 

— Esse é o problema, lá eles têm seu próprio meio de transporte, que só funciona aos sábados, porque lá é praticamente uma cidadezinha, então o pessoal só vem aqui na capital aos sábados, pois é o dia de folga deles. Assim, quem tem seu próprio carro vem o dia que quer, mas o ônibus mesmo só aos sábados, e os táxis não vão mais para lá, pois o dono não gosta de carros estranhos e os proibiu de chegar perto da vila. 

— Entendi, eu vou ver o que faço. 

— Pois tente minha filha, lá sempre contratam, semana pa*sada mesmo, chegaram uns 50 peões novos para trabalhar, tenho certeza que estão precisando de gente para ajudar na cozinha, só a*sim para dar conta desse povo todo. 

— Muito obrigada dona Maria, tenha uma boa tarde. 

Como ainda iam dar 3 da tarde, resolvi me arriscar, iria a essa fazenda, nem que fosse pegando carona na estrada. Enquanto caminhava em direção a saída da cidade, quando via alguma mulher com criança, oferecia meus lacinhos para vender. Vi a placa que direcionava a vila São Caetano, e continuei. Uma hora ou outra apareceria algum carro e pegaria carona, era arriscado, mas eu já estava toda lascada mesmo, o que poderia acontecer de pior? 

Me interessei no lugar, porque como dona Maria disse, sempre contratam lá, e também eles dão a casa para a pessoa morar por um pequeno preço, seria o que eu precisava naquele momento, andei uns 15 quilômetros pela estrada de terra, e nenhum carro havia pa*sado, já estava quase me arrependendo da burrice de andar numa estrada desconhecida, sozinha e sem conhecer ninguém. 

Quando deu seis da tarde, o céu começou a escurecer, as nuvens ficaram pesadas, sinal de que uma forte chuva cairia em instantes, aí sim me arrependi, mas não poderia retroceder, não demorou muito e a chuva começou a cair. 

Estava tudo escuro, a chuva era forte, encharcada, tentava cobrir a lanterna do celular para não cair água, não dava para enxergar nada, nesse momento me arrependi amargamente de não ter esperado o próximo sábado para ir a tal fazenda, mas ainda era domingo e eu não podia esperar tanto, ainda mais, porque não podia gastar o dinheiro que tinha a toa. Antes, eu havia perguntado a um taxista se ele poderia me levar o mais próximo possível dessa vila, mas ele simplesmente me encarou perguntando se eu achava que ele era louco, não havia entendido o porquê, então só me veio essa ideia absurda em mente. 

A chuva agora parecia mais fraca, eu estava muito molhada e morrendo de frio. O que me deixava atônita, era o motivo de nenhum carro pa*sar por ali. No meio do caminho meus olhos avistaram uma luz, quanto mais me aproximava, mais percebia estar chegando próximo a uma ponte. Logo vi que a luz eram os faróis traseiros de um carro. 

O carro era vermelho e tinha um símbolo de um cavalo, parecia ser um automóvel de luxo, o que era estranho, já que estava parado na ponte, me a*sustei ainda mais, quando um raio caiu, e vi de vislumbre, um homem em pé, pronto para se jogar de lá.

Caminho Traçado – Uma babá na fazenda By Célia Oliveira

Caminho Traçado – Uma babá na fazenda By Célia Oliveira

Score 9.9
Status: Ongoing Type: Author: Artist: Released: 10/5/2023 Native Language: Portuguese
Caminho Traçado - Uma babá na fazenda By Célia Oliveira" Novel is a subgenre of romance fiction that features a romantic relationship between the main characters, Célia Oliveira one of whom is a chief executive officer (Célia Oliveira) or high-ranking corporate executive. Read More Ex-wife’s Disguised Identity by Josie Atkins Novel

Read Online Caminho Traçado - Uma babá na fazenda By Célia Oliveira

Aurora era uma garota cheia de sonhos, que começaram a ser destruídos após a morte de seu pai.Tudo que ela queria era dar uma vida melhor para a mãe, mas tudo mudou, quando sua mãe conhece um homem e se casa novamente, se transformando praticamente em outra mulher, Aurora que era filha amada, ficou detestada pela mãe, que tinha ciúmes do marido com a filha, as coisas só pioram quando ela tem que fugir de casa para não ser violentada pelo padrasto, e na procura por um lugar para morar, acaba encontrando um homem misterioso numa ponte...

Caminho Traçado - Uma babá na fazenda By Célia Oliveira

Some Important Questions Related to the Story

  1. What time did Aurora's mother arrive home, and why was she upset?
    • Aurora's mother arrived home after six o'clock, and she was upset, possibly due to something Sandro had done or said.
  2. How does Aurora contribute to her household?
    • Aurora takes care of her younger sister, Alice, so her mother and her boyfriend, Sandro, can work outside the home. She also makes hair bows to earn some money.
  3. Why does Aurora hide her earnings from making hair bows?
    • Aurora hides her earnings because she plans to use the money to leave home when she turns eighteen and doesn't want her family to take it from her.
  4. Why hasn't Aurora been able to pursue her dream of attending college?
    • Aurora's mother didn't allow her to attend college because she believes Aurora should take care of Alice instead of pursuing higher education.
  5. What is the nature of Aurora's relationship with her friend Isadora?
    • Aurora and Isadora are best friends who met in elementary school. They had plans to attend college together, but Isadora is now leaving for another state to study medicine.
  6. What is Aurora's ultimate goal when she turns eighteen?
    • Aurora's goal when she turns eighteen is to leave her current home and start a new life in a different city, far away from her family's toxic environment.
  7. Why does Aurora's mother's attitude toward her change after she started dating Sandro?
    • Aurora's mother's attitude changed because she became infatuated with Sandro and allowed her jealousy and possessiveness to affect her relationship with Aurora.
  8. How does Aurora plan to support herself when she leaves home?
    • Aurora plans to support herself by finding a job, renting a small apartment, and eventually pursuing a college education to achieve her dreams.
  9. What does Aurora think about her two months left in her current situation?
    • Aurora sees these two months as a short period in comparison to the difficult years she has endured and is determined to leave her current situation behind.
  10. Why does Aurora want to move to a distant city?
    • Aurora wants to move to a distant city because she believes that anywhere else would be better than her current situation at home, and she is determined to start fresh and pursue her dreams away from her family's toxic environment.

Conclusion

Aurora's story is one of resilience and determination in the face of a challenging family situation. Despite her difficult circumstances, she is determined to break free, pursue her dreams, and build a better life for herself. Her unwavering spirit serves as a testament to the power of hope and ambition.  

Caminho Traçado - Uma babá na fazenda By Célia Oliveira

Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Options

not work with dark mode
Reset